Técnicos de organização de cadeias de abastecimento curtas

130.00

Curso parcialmente financiado pelo programa PDR2020, direcionado para Técnicos da área agrícola.

Vai decorrer no formato b-learning, pelo que os/as formandos/as deverão possuir os recursos tecnológicos recomendados, nomeadamente, internet, computador ou tablet ou smartphone, devendo os mesmos estar apetrechados de sistema áudio e vídeo.

⇒Programa do curso disponível no site da DGADR

Contacto para próxima edição

REF: 514 Categoria:

Descrição


Localidade
Online em b-learning




Data Início
12/01/2021




Data Fim
18/02/2021




Cronograma




Observações
Formação em b-learning, com sessões online síncronas através do MOODLE. Possibilidade de Visita de Estudo Virtual.




Inscreva-se




Localidade
Online em b-learning




Data Início
09/02/2021




Data Fim
19/03/2021




Cronograma




Observações
Formação em b-learning, com sessões online síncronas através do MOODLE. Possibilidade de Visita de Estudo Virtual.




Inscreva-se



Idade Mínima: 0
Idade Máxima: 0
Situação: Empregados por conta própria
Empregados por conta de outrem – Internos
Empregados por conta de outrem – Externos

Habilitações Mínimas: Bacharelato
Habilitações Específicas: Ensino superior na área das Ciências Agrárias (nível de qualificação = a 6 (Licenciatura ou Bacharelato), de acordo com o Anexo III da Portaria n.º 782/2009, de 23 de julho).


Capacitar técnicos com competências na metodologia e instrumentos de conceção, implementação e animação de cadeias de abastecimento curtas.


Introdução à ação
I – O processo de mediação
II – As cadeias de abastecimento curtas
III – A rede de parceiros locais
IV – A mobilização e organização dos produtores agrícolas e agroalimentares
V – A mobilização e organização dos consumidores
VI – Implementação das cadeias de abastecimento curtas
VII – Enquadramento Legal e fiscal
VIII – Instrumentos financeiros de apoio às cadeias de abastecimento curtas
IX – Visita de campo
Avaliação

VIII – Instrumentos financeiros de apoio às cadeias de abastecimento curtas



6 – Formação em B-learning (turma)


Avaliação de reação – Realizar no final da ação.
Avaliação formativa – Efetuar ao longo dos diferentes módulos, através de trabalho de grupo, a realização de um exercício de conceção, implementação e acompanhamento de uma cadeia de abastecimento curta para um território, com base em dados de caraterização fornecidos pelo formador.
Avaliação sumativa – Realizada com base no exercício de conceção de uma cadeia de abastecimento curta desenvolvido ao longo do percurso formativo, de acordo com a metodologia definida pelos formadores.
A avaliação de conhecimentos é realizada pelo formador ou formadores, a quem compete conceber os instrumentos de avaliação.

Diagnóstica
No início da ação é realizado um levantamento de expectativas, que congrega também o domínio da temática, e, que não tendo qualquer intenção classificativa, tem como objetivo a identificação dos conhecimentos que os participantes possuem no momento de entrada na ação, bem como a maximização da aquisição de conhecimentos e competências pela adequação e conhecimento do perfil do participante, permitindo e legitimando, se necessário, ajustes aos conteúdos e métodos a utilizar com o grupo e individualmente.
Esta avaliação é realizada recorrendo à técnica de questionário oral dirigido (em videoconferência) e/ou à criação de fórum de perguntas e respostas e/ou teste diagnóstico.

Formativa
Promovida no decurso da ação, pretende identificar desvios aos objetivos fixados, detetar problemas e aplicar soluções, tendo sempre em vista o reajuste da estratégia pedagógica do formador no sentido de atender a percursos individuais e de grupo. A avaliação formativa consubstancia-se em diversas estratégias que implicam sempre o feedback do formador, quer em suporte escrito, quer em suporte oral/síncrono.

Sumativa
A avaliação sumativa realiza-se ao longo dos módulos.
A metodologia de avaliação prevê, para além, da avaliação dos conhecimentos científicos e competências técnicas, a avaliação de competências transversais, de âmbito comportamental verificáveis nesta modalidade de formação (participação, motivação, assiduidade, pontualidade, relações interpessoais).

EM DTP os modelos que evidenciarão o resultado da aprendizagem são:
– Registo da Avaliação do Formando por Objetivos de Aprendizagem.

Avaliação de Reação:
Os questionários aplicar-se-ão no final da mesma.
Os inquéritos por questionário aplicar-se-ão a formandos, formador, coordenador [e entidade cliente quando se aplique].
Avaliação de Desempenho:
O desempenho dos formadores é avaliado por formandos, coordenador e pelo próprio. Estas avaliações resultam numa média global de desempenho. Esta média é calculada pelo somatório das apreciações obtidas, divididas pelo número de respostas, sendo que as respostas dos formandos têm um peso de 50%, as do coordenador têm um peso de 40% e as do formador têm um peso de 10%.


As provas são pontuadas de 0 a 20 valores.
Os formandos que demonstrem assiduidade na ação de formação e que obtenham a pontuação igual ou superior
a 10 valores nas provas de avaliação será atribuída a classificação final “Com aproveitamento”.

Confere Certificado de Qualificações, emitido pelo Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa (SIGO) do Ministério da Educação, conforme Portaria nº 474/2010, de 8 de Julho, com enquadramento legal no Sistema Nacional de Qualificações – Decreto-Lei nº 396/2007