Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Secções

Curso de Formação


Modo de Produção Integrado em Vinha



: 0.00
: 0.00
:
106h00


Mais características do curso

:

Capacitar os participantes com conhecimentos, competências e atitudes para aplicação do modo de produção integrado em vinha.

:
Produção Agrícola e Animal

Destinatários

:
Licenciatura/Bacharelato
:
Técnicos com formação superior em ciências agrárias (artigo 13º da lei nº37/2013, de 13 de março), são ainda enquadráveis os candidatos com cursos superiores de nível V, ou equivalente das ciências agrárias. As ciências agrárias incluem as seguintes áreas: - Agricultura, silvicultura e pescas; - Ciência animal e dos laticínios; - Ciências veterinárias; - Biotecnologia agrária e alimentar; - Outras ciências agrárias. São ainda admitidos para a componente vegetal, os candidatos cujas habilitações literárias, e de acordo com a temática do curso, demonstrem conter nos seus planos curriculares, unidades relativas à produção vegetal, nomeadamente na área da proteção das culturas.
:
Para a frequência nos Blocos II e III é necessária a apresentação do Certificado do Bloco I - Conceitos de base em proteção integrada (PI) e em modo de produção integrado (MPI) : Componente vegetal e animal

Delegações

  • Sede - Mirandela
  • Chaves
  • Vila Real
  • Penafiel

Módulos


Nome Conteúdo
Introdução à Ação
Apresentação do grupo.
Levantamento de expetativas dos participantes.
Apresentação do programa da ação.
Avaliação de diagnóstico.
Bloco I.1 Introdução à PI e à MPI
Evolução da proteção das plantas.
Definição, objetivos e princípios de PI.
Definição, objetivos e princípios do MPI — componente vegetal e animal.
Prática da PI e do MPI em Portugal.
Bloco I.2 - Legislação específica
Enquadramento legal da PI e do MPI.
Legislação específica.
Caderno de campo e registos em PI e em MPI.
Controlo e certificação.
Bloco I.3 - Componentes da Proteção Integrada
As componentes da PI.
"Estimativa de risco (ER) e modelos de previsão:
Papel do Sistema Nacional de Aconselhamento Agrícola (SNAA) na estimativa de risco das doenças."
Monitorização: critérios para a definição de zonas de monitorização; sua instalação e desenvolvimento/acompanhamento; Estratégias de divulgação de resultados de monitorização.
Nível económico de ataque (NEA).
Tomada de decisão e seleção dos meios de luta.
Meios de luta disponíveis - luta cultural, biológica (grupos de auxiliares mais importantes), genética, biotécnica, física e química.
Bloco I.4 - Aplicação de produtos fitofarmacêuticos (PF) em PI
Enquadramento legal relativo: aos Produtos Fitofarmacêuticos (PF) — Autorização de PF e uso sustentável.
PF — definição, classificação toxicológica, ecotoxicológica e ambiental. Produtos com perfil para PI.
Rótulo, análise detalhada e ficha de dados de segurança. Fases de risco. Riscos para a Saúde e Ambiente.
Máquinas e equipamentos de aplicação — tipos e características.
Técnicas e seleção de equipamento de aplicação.
Equipamento de proteção individual (EPI).
Inspeção de material de aplicação em uso- enquadramento legal.
Calibração, arrastamento e deriva.
Cálculo da quantidade de produto a utilizar e da calda necessária.
Manutenção e conservação do material de aplicação.
Regras de aplicação, manuseamento e armazenamento de PF que conduzam à redução dos riscos para o consumidor, aplicador, o ambiente, para as espécies e os organismos não visados.
Bloco I.5 - Técnicas de MPI
Plano de exploração — sistemas e estratégia de produção.
Conservação do solo — Técnicas de conservação dos solos: Drenagem; Enrelvamento e Mobilizações (Mecanização — épocas e tipos).
Conservação da fertilidade do solo, ciclo de nutrientes e nutrição das culturas
Conservação da água — dinâmica da água no solo, necessidades em água, métodos de rega, qualidade da água.
Técnicas de diagnóstico: determinações analíticas a efetuar nos diferentes materiais (terras, folhas e águas).
Determinações analíticas nos corretivos orgânicos (efluentes pecuários, compostados, lamas e sub produtos da indústria agroalimentar).
Plano de fertilização, estratégia de fertilização — fertilizantes e quantidades a aplicar, época e forma de aplicação, fertilização racional. Caso particular das Zonas Vulneráveis.
Fertilizantes, adubos e corretivos , tipos e comportamento no solo, técnicas de aplicação.
Aplicação de fertilizantes orgânicos (efluentes pecuários, compostados, lamas e sub produtos da indústria agroalimentar) ao solo: influência no ambiente (solo e água) e na qualidade dos produtos.
Sementeira / plantação época, seleção de variedades, preparação da semente, preparação da cama, densidade, profundidade e compasso.
Antecedentes culturais, rotações, sucessões, afolhamentos.
Colheita e armazenagem.
Bem-estar animal e preservação dos recursos.
Maneio alimentar e dos animais.
Profilaxia e saúde animal.
Gestão de efluentes de origem animal.
Qualidade dos produtos — Controlo e certificação.
Registo no Caderno de campo.
Bloco I.6 - Armazenamento e transporte seguro de produtos fitofarmacêuticos
Construção de armazéns na exploração agrícola.
Armazenamento dos PF.
Medidas de higiene e segurança.
Medidas em caso de derrames acidentais; recolhas.
Medidas em caso de incêndio.
Resíduos de embalagens vazias, produtos obsoletos, materiais contaminados e restos de pesticidas e de caldas — armazenamento temporário.
Transporte em segurança.
Uso sustentável e aquisição, e transporte e armazenamento em exploração agrícolas.
Bloco I.7- Avaliação
Avaliação de conhecimentos sumativa — Prova A1.
Avaliação de reação.
Encerramento da Ação.
Bloco II.1- A cultura da vinha
Importância socioeconómica.
Regiões de produção, caraterísticas edafo-climáticas específicas para a cultura da vinha, cultivares, porta-enxertos e variedades polinizadoras.
Ciclo vegetativo, ciclo reprodutivo e estados fenológicos.
O agroecossistema das pomóideas (biocenose e inimigos; interação pragas e auxiliares).
A organização da produção — Organização Comum de Mercados (OCM)
Bloco II.2 - Pragas
As pragas da vinha — bichado da fruta, mineiras, ácaros fitófagos, principais afídeos (Rhopalosiphum insertum, Aphis pomi, Dysaphis plantaginea, Erisoma lanigerum), psilas (Aphanostigma piri), mosca da fruta, cochonilha de S. José, hoplocampa e outras pragas (ratos…)
Sistemática, morfologia e bioecologia.
Sintomatologia, estragos e prejuízos — sua importância.
Monitorização (períodos de risco), estimativa do risco e NEA e fatores de nocividade.
Estratégia e meios de proteção.
Meios de luta indiretos.
Meios de luta diretos.
Luta cultural, física, genética e luta biotécnica.
Luta biológica: principais auxiliares (inimigos naturais), limitação natural. Efeitos secundários dos p. f.
Luta química: seleção dos p. f. com melhor perfil para PI na cultura da vinha.
Guia de PI das culturas da vinha.
Bloco II. 3 - Doenças
As doenças da vinha — Pedrado, oídio, cancro da macieira, moniliose, stenfiliose, podridões das raízes, fogo bacteriano, doenças de conservação e outras doenças (fungos).
Patogénio, biologia (ou epidemiologia), sintomas.
Estragos e prejuízos — sua importância.
Estratégia e meios de luta.
Períodos de risco, métodos de previsão e modelos matemáticos.
Meios de luta (luta cultural, biológica, química e outros).
Seleção dos produtos autorizados com melhor perfil em PI da vinha.
Bloco II. 4 - Infestantes
As infestantes da vinha; identificação das infestantes mais frequentes e sua monitorização.
Aspetos da biologia e propagação.
Manutenção do solo e controlo das infestantes.
Meios de luta.
Controlo por meios químicos.
Produtos permitidos e modos de ação.
Condições de aplicação dos herbicidas.
Bloco II. 5 - Colheita, armazenamento e conservação
Determinação do momento de colheita.
Armazenamento e conservação.
Bloco II. 6 - Controlo e certificação
Controlo e certificação em PI.
Bloco II.7- Estratégia de apoio ao agricultor
Divisão da área de ação em zonas microclimáticas.
Estabelecimento dos Pontos de Monitorização (PM).
Instalação e desenvolvimento dos PM.
Elaboração das fichas de registo da evolução/previsão dos inimigos das culturas.
Registo dos dados meteorológicos.
Evolução da fenologia.
Evolução dos inimigos das culturas, métodos de estimativa do risco vs. métodos de evolução/previsão.
Caderno de campo e seu preenchimento — Prática de campo.
Estratégia de divulgação dos resultados ao agricultor.
Análise e interpretação dos registos de um caderno de campo.
Tomada de decisão.
Apresentação individual, por escrito, da tomada de decisão devidamente fundamentada.
Bloco II.8 - Avaliação
"Preenchimento do caderno de campo com referência à tomada de decisão, devidamente fundamentada —
Avaliação de Aprendizagem — Prova A2."
Apresentação dos resultados e discussão dos trabalhos práticos realizados.
Avaliação de reação.
Encerramento da Ação.
Bloco III.1- Introdução à cultura da vinha em modo de produção integrado (MPI)
Segurança alimentar, qualidade do ambiente e traceabilidade.
Agroecossistema e biodiversidade associada.
Bloco III.2 Estratégias do MPI na exploração
Localização da cultura, objetivos e meios - estratégia de produção/plano de exploração.
Bloco III.3 - Conservação do solo
Estratégia de conservação.
Processos de mobilização, trabalho mecânico, preparação e armação do solo.
Operações de manutenção do solo durante a cultura.
Drenagem e erosão.
Máquinas e operações de conservação, mobilização e preparação do solo.
Bloco III.4 - Instalação da vinha
Exigências edafo-climáticas.
Perfil do solo: observações a efetuar antes da plantação.
Propagação — tipos e métodos de propagação, colheita e conservação de material vegetativo. Enxertia. Tipos de enxertia e época.
Escolha de cultivares e porta-enxertos — certificação de plantas.
Operações de instalação. Preparação do solo e plantação. Máquinas utilizadas.
Preparação das plantas, poda de transplantação, época e formas de plantação.
Compassos, marcação e piquetagem e plantação.
Sistemas de condução.
Instalação do sistema de tutoragem.
Retancha
Bloco III.5 - Condução da vinha
Tipos de poda: Poda de formação e de produção (poda de inverno e poda de verão, poda de plantas fêmeas e plantas macho).
Polinização. Monda de frutos.
Equipamento de poda, limpeza e desinfeção e operações de condução.
Bloco III.6 - Fertilização
"Caraterísticas do solo.
Necessidades nutritivas das culturas."
Técnicas de diagnóstico: análise de terra, análise foliar e análise da água de rega.
Determinações analíticas obrigatórias e recomendadas nos diferentes materiais (terras, folhas e águas). Determinações analíticas nos corretivos orgânicos (efluentes pecuários, compostados, lamas e sub produtos da indústria agroalimentar).
Equipamentos e operações de colheita de amostras.
Fertilização de pomóideas e métodos de aplicação dos nutrientes. Utilização dos corretivos orgânicos.
"Cálculo de fertilização racional e aplicação de corretivos e nutrientes.
Fertirrega"
Plano de fertilização — Elaboração do plano, referindo o tipo de fertilizantes a utilizar.
Bloco III. 7 - Rega
Técnicas de rega aplicáveis à cultura.
"Rega racional - estratégia de rega; elaboração de plano de rega: necessidades hídricas, disponibilidade (teor de água no solo) e qualidade da água.
Monitorização das necessidades de rega e critérios para tomada de decisão da rega
Sistemas de avisos de rega."
Máquinas e equipamentos e operações de instalação do sistema de rega.
Inspeção de máquinas e equipamentos e operações de instalação do sistema de rega e da rega.
Bloco III. 8 - Colheita, armazenamento e conservação
Fatores de qualidade. Requisitos mínimos para a colheita.
Controlo e certificação de produtos em MPI.
Acidentes fisiológicos.
Comercialização.
Máquinas, equipamentos e operações de colheita.
Bloco III. 9 - Estratégias de apoio ao agricultor em MPI
Elaboração das fichas de registo da evolução / previsão dos inimigos das culturas.
Registo dos dados meteorológicos.
Evolução da fenologia.
Acompanhamento das práticas culturais e registo no caderno de campo (Prática de campo).
Análise dos registos e tomada de decisão — Prática de campo.
Bloco III. 10 - Avaliação
"Preenchimento do caderno de campo com referência à tomada de decisão, devidamente fundamentada
Avaliação de Aprendizagem — Prova A3."
Apresentação dos resultados e discussão dos trabalhos práticos realizados e encerramento da Ação.
Avaliação de reação.
Encerramento da Ação.
Acções do Documento